Twitter Facebook Youtube
Home » #Rede Rap Nacional » Jornalista inicia mapeamento para saber quem são as mulheres da literatura marginal

Jornalista inicia mapeamento para saber quem são as mulheres da literatura marginal

Jéssica Balbino expandiu projeto de mestrado para site com reportagem 360 sobre o tema

Para entender quem são as mulheres da literatura marginal/periférica no Brasil, a jornalista Jéssica Balbino lança o projeto “Margens”. Em formato de site para reportagem multimídia e independente, um formulário para automapeamento está disponível, a fim de permitir que as poetas, contadoras de histórias, romancistas e  escritoras possam se autorrepresentar na história.

A pesquisa, sobre literatura marginal/periférica e saraus tem foco sobre a produção feminina, que segundo a jornalista, nos últimos 10 anos, aumentou consideravelmente. O trabalho final resultará, além de uma dissertação, em uma reportagem 360 sobre as mulheres nessa literatura periférica e nestes dados levantados pela autora, que mostram que, embora as mulheres, especialmente as de periferia, assumam-se como chefes de família, na literatura – desde 2004 quando as antologias dos saraus se popularizaram até 2015 – o número de mulheres escritoras, que já publicaram seus escritos, ainda é 20% inferior que o número de homens.

Para entender este cenário, o mapeamento das mulheres mostrou-se a ferramenta mais eficaz. Ele está disponível no site do projeto (http://margens.com.br/pelas-margens/margens-mapeadas/ ). A ideia é parte do projeto de mestrado da jornalista, que cursa Divulgação Científica e Cultural na Unicamp, mas acredita que o formato participativo é uma forma de ampliar o acesso à academia. “Fazer a pesquisa em forma de automapeamento e o site são uma chance de ‘derrubar’ o muro invisível que existe entre a academia, o jornalismo e a pesquisa real”, disse Jéssica Balbino.

Ainda de acordo com a jornalista, o projeto pode se tornar um livro futuramente. Jéssica é também  autora dos livros Traficando Conhecimento (Aeroplano, 2010) e Hip-Hop: A Cultura Marginal (Independente, 2006) e membro dos coletivos Frente Nacional de Mulheres do Hip-Hop (FNMH²), Hip-Hop Mulher e Mjiba.

MArgens-Art-2Sobre o Margens
A reportagem está sendo construída, gradativamente, para mostrar como as escritoras marginais e periféricas rompem com a máxima “Pode o Subalterno Falar?” e inovam no jeito de narrar, reportar e contar a própria história, além de romperem com o estigma de que os subalternos não tem vez, tampouco voz.

Embora esteja em processo de formação e transformação, a literatura marginal/periférica emerge das periferias diariamente e encontra novos locais onde se hibridizar, onde se espalhar e onde se fortalecer.

Apesar do discurso periferia/centro dar sinais de esgotamento, entende-se que é necessário debater a questão enquanto a literatura feita por agentes enunciadores que vem de um local e disseminam a arte por outro. Neste aspecto, entende-se que o subalterno não apenas pode falar, como escrever e declamar suas obras não apenas onde elas foram concebidas, mas para o mundo, segundo o escritor e pesquisador Alejandro Reyes.

“A maioria destas obras reivindicam, na temática e na linguagem, o local, invisibilizado pelos discursos hegemônicos”

O surgimento de antologias literárias marginais apenas femininas pode ser o início da superação da mudez e o recomeço da construção da própria história, já que existe espaço para tal, como forma também de preservação da memória. Além disso, os assuntos discutidos por mulheres e as manifestações expressadas pela voz e pelas declamações nos saraus também apontam mudanças no cenário, já que busca-se o empoderamento feminino e a organização, ao debater-se política através do próprio feminismo, dos relacionamentos e de causas como aborto, misoginia, sociedade, trabalho, etc.

Conforme observa Lúcia Helena Vianna, a ‘poética feminista’ é, quase sempre, política. “Toda discursividade produzida pelo sujeito feminino que, assumidamente ou não, contribua para o desenvolvimento e a manifestação da consciência feminista, consciência esta que é sem dúvida de natureza política”. Ela ainda acrescenta: “poética feminista é poética empenhada, é discurso interessado, é política”.

Desta forma, a construção e o resultado desta reportagem não se dá apenas por meio de leituras acadêmicas da jornalista, mas de vivências entre os autores e autoras, além da vivência nos saraus e acompanhamento da cena literária periférica desde o início dos anos 2000.

 

Serviço – Para responder ao questionário, acesse o link http://margens.com.br/pelas-margens/margens-mapeadas/. Mais sobre o projeto pode ser acessado no site www.margens.com.br

Comentários:

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Notícias Similares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Email
Print