Twitter Facebook Youtube
Home » LM » [LM] Do lixão… nasce a dor – Markão Aborígene

[LM] Do lixão… nasce a dor – Markão Aborígene

 

Markao Aborigene

As pipas dividem espaço com urubus

Na pista não há rolimãs, mas carretas.

O dia se passa em pouca luz

Se respira em um eclipse de poeira

Lonas, madeiras, pedaços de telha, pregos expostos.

O piso batido, fios, emendas, sustentam esforços.

Trabalho diário, raro descanso, sonho pretérito.

Pra que no futuro não haja trator ou tumulto,

a derrubar o lar, o teto.

Singela morada que externiza orgulho

Apenas uns palmos num canto do mundo

Apenas a mata que fica nos fundos

Da câmara, senado, ou debaixo de viadutos.

Sobras de obras viram carroças que por horas trafegam

Levam pra casa o que sua casa nega

O resto, o podre, o que se perdeu

que a promoção não vendeu

Fora de moda agora são velhas

A compra do voto em camisa impressa

Comumente usada de sul a norte

Trazem a certeza de falsas promessas

Pois vestem elas e não uniformes

Pro aumento da renda a infância não dorme

Na noite procura, vasculha o lixo.

Aguarda descarga proveniente do shopping

Mas o cansaço é forte acaba dormindo

Em cima do monte de produto vencido

Faz deste mesmo lixo o seu cobertor

Ao amanhecer família chora

Criança foi morta, esmagada por um trator.

Por Markão Aborígine

CONTATOS

Site: http://www.aboriginerap.blogspot.com

Vídeos:http://www.youtube.com/canalaborigine

Músicas: http://www.palcomp3.com.br/aborigine

Fone: 061 9602 6711 e 3209 6711

Comentários:

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Notícias Similares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Email
Print