Twitter Facebook Youtube
Home » Especial » Mano Brown protesta pelas mortes em SP na entrega do Troféu Raça Negra

Mano Brown protesta pelas mortes em SP na entrega do Troféu Raça Negra

O líder dos Racionais MC’s Mano Brown quebrou o protocolo na cerimônia de entrega do Troféu Raça Negra, nesta segunda-feira (19/11), na sala S. Paulo, ao protestar contra a onda de violência no Estado e, que segundo ele, atinge, especialmente jovens negros da periferia.

“Eu queria que ele estivesse aqui”, disse Brown, referindo-se ao governador Geraldo Alckmin, ao receber o Troféu juntamente com os dois outros integrantes do grupo – Ice Blue KL Jay – dividindo o palco com os cantores Carlinhos Brown e Martinho da Vila, que também foram homenageados.

Com a cara fechada de costume e sem nenhuma preocupação em ser simpático aos organizadores do evento que o homenagearam – a Afrobras e a Faculdade Zumbi dos Palmares –, nem aos demais artistas com quem dividiu o palco, Brown considerou absurdas as declarações de Alckmin que, na semana passada ao falar sobre a onda de violência iniciada em outubro – atribuiu a quantidade de mortos ao tamanho da população do Estado.

Ao lembrar que ambos torciam para o mesmo time (Alckmin como Brown torce para o Santos), alguém da platéia interviu com um  “troca de time”, ao que o líder dos Racionais respondeu: “É mais fácil trocar de governador”.

O protesto não previsto causou constrangimento aos organizadores, em especial, ao reitor da Zumbi, José Vicente, que pouco antes havia aberto a cerimônia ao lado da secretária Eloísa Arruda, da Justiça, representando o governador, e do presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal. Vicente, no entanto, não quis fazer comentários.

A edição deste ano – a nona – homenageou o líder do Movimento dos Direitos Civis, Martin Luther King, morto há 44 anos, e teve como principal estrela, a filha mais nova do líder, a missionária Bernice King.

Show e cerimônia

Num evento, cuja direção com um roteiro confuso deixou a desejar, a entrega do Troféu – considerado pelos organizadores o “Oscar da comunidade negra” – reuniu artistas, personalidades da música, do teatro, da televisão e do mundo dos esportes e foi aberto pela cantora Margareth Menezes que cantou o Hino Nacional.

Com a ausência da âncora da TV Record, Ana Paula Padrão, que foi anunciada, Joyce RibeiroRobson Caetano, eÉrico BrásPatrícia de Jesus, se encarregaram de fazer as vezes de mestres de cerimônias.

Ao longo de quase três horas passaram pelo palco da Sala S. Paulo Luiz Melodia, cantando o clássico Negro Gato eJair Rodrigues homenageando Cartola, Vanessa Jackson, interpretando Michael Jackson (os melhores momentos do show), Roberta Miranda e Sandra de Sá. Também foram homenageados Cacau Protássio, a Zezé da novela Avenida Brasil, o garoto Jean Paulo Campos, o Cirilo da novela Carrossel, do SBT, a jornalista Glória Maria, da TV Globo, o gari Sorriso vestindo o uniforme da Prefeitura com que desfile na Marquês de Sabucaí, no Rio, e os medalhistas olímpicos, FofãoFabiana Anderson.

O ministro do STF, Luiz Fux, dedicou o seu Troféu ao colega, Joaquim Barbosa, relator do caso mensalão, que nesta quinta-feira se tornará o primeiro negro a assumir a presidência da mais alta Corte do país. Também foi homenageado com a estatueta, o jornalista Otávio Frias, diretor do Jornal Folha de S. Paulo.

A festa para a entrega do Troféu Raça Negra que acontece anualmente tem patrocínio das principais empresas brasileiras, entre as quais, a Mercedez e a Petrobrás e de Bancos como o Itaú, Bradesco e Santander.

Fonte: Afropress

Comentários:

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Email
Print