Twitter Facebook Youtube
Home » Especial » O bom filho à casa torna

O bom filho à casa torna

Por Gustavo Tristão/Boia Fria Produções

No dia 19 de agosto de 2012 o Paço Municipal de São Bernardo do Campo parou pra ver um grande show. Dexter, nativo das ruas de terra do Jardim Calux, foi convidado a encerrar o bangue que celebrava o aniversário da cidade. No palco dedicado ao rap, durante todo o dia diversos grupos da cena local se revezaram até a chegada da noite, que se encerraria do jeito que o Oitavo Anjo gosta: com uma grande festa.

Literalmente em casa, Dexter preparou uma apresentação à altura da ocasião, com uma série de surpresas para os companheiros e companheiras de sua terra natal. Batiam as nove horas. Luz baixa no palco esfumaçado, um sino toca. No telão atrás do palco, uma caveira aparece convidando o público para a viagem que estava por vir. O canto da gaivota anuncia a chegada do Oitavo Anjo, seguido do ataque dos metais de sua banda. E ele chega com tudo, na fúria, pro arrebento. Luz. Camêra. Ação! Fogos!

O groove tomou conta do palco, e Dexter entra gingando, na humildade, porém roubando a cena. A felicidade de cantar em casa, com parceiros das antigas em cima do palco e na platéia, estava estampada em seu rosto. Dois dias antes ele havia comemorado o seu trigésimo-nono aniversário e recebera, entre outros presentes, a oportunidade de cantar na sua quebrada. Era dia de traduzir refinados sentimentos em forma de música. O clima era de absoluta celebração de tantas coisas positivas, como a liberdade, mais um ano de vida e a união com todas as pessoas queridas ali presentes.

Acompanhado da Banda Oitavo Anjo, a sincronia das rimas de Dexter com o groove dos instrumentos e as luzes era precisa – e preciosa. A partir de então, o que se seguiu foi uma apresentação inesquecível do filho da música negra ao lado de seus parceiros inseparáveis Gregory, Nego Jam, DJ Loo, Dudu Nascimento e equipe de produção, que também ajudaram a embalar a noite. Mas o gran finale ainda estava por vir…

Eis que, perto de encerrar o show, sobe ao palco um homem com o rosto coberto por um lenço e um microfone na mão. A voz, vinda da zona sul e também conhecida em todas as quebradas de São Paulo, entoou versos da música ‘Eu Sô Função’. Era o grande parceiro do Oitavo Anjo, o bandido mal, cachorro loko, Mano Brown. Um presente e tanto de Dexter para São Bernardo do Campo. Junto com ele, vieram BIG RDG e Du Bronk’s, Família Racionais estava na área.

Para fechar aquela grande noite, os familiares, amigos e a esposa do Oitavo Anjo subiram ao palco e cantaram um parabéns, celebrando aquele momento inesquecível de liberdade, música e alegria. Assista o vídeo e confira com seus próprios olhos essa história!

Comentários:

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Notícias Similares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Email
Print