Sign in / Join

"O problema é nosso", por Crônica Mendes

Rapper Crônica Mendes publica desabafo em seu blog e diz: “o problema é nosso”

 

fotos: Nina Fideles


O rapper Crônica Mendes, do grupo A Família, escreveu, nesta tarde – aniversário de São Paulo – em seu blog, um desabafo sobre as situações vividas recentemente nas favelas e periferias do Brasil, especialmente no Estado de São Paulo.

Confira, abaixo, o texto:

 

O PROBLEMA É NOSSO

Não temos mais problemas.
O problema não é meu.
Cada um na sua. 

Em qual dessas você se encaixa?

Pra ser sincero eu não me vejo em nenhuma dessas. Nem naquela idéia tosca de cada um no seu quadrado. Tá tudo uma bagunça só, que dá medo em muitos de se posicionarem, e isso de fato é preciso. Tal como li num livro de nome “De que lado você esta?” do autor André Ebner. E ai meu irmão, minha irmã, qual é?

Estive no último domingo, 22, em um ato cultural beneficente na Favela do Moinho, a favela no coração da maior metrópole brasileira. O ato, o festival, foi em prol das famílias vítimas do incêndio ocorrido nas vésperas do Natal, 22 de dezembro do ano velho, que devastou metade da favela, deixando mais de 300 famílias desabrigadas e sem nada.

Foi íncrivel ver a força da Favela, as suas pessoas articuladas, organizadas, unidas. E como toda favela, o Moinho também tem suas contradições, mas nada que deixa no breu a luta e o exemplo de garra dessa gente nossa. Eu vi, eu estava lá.

O rap foi convocado pela Mãe Favela, a literatura com força respirou o mesmo ar… Não foi o estado, prefeitura, não foi o funk… Foi a Favela do Moinho, o povo quem convocou e o Rap é do povo e com o povo é que ele vai pra luta.

 

 

Tem muitos ignorantes por aí dizendo que o Rap agora não tem, nem precisa falar mais de problemas sociais, de comunidade ou de suas pessoas. Querem nos dizer que devemos falar apenas do nosso umbigo, do nosso ego e deixar de lado a nossa indignação. Falar disso pra que? Com um desprazer por este tipo, eu apenas discordo desses ignorantes e vos digo – Não temos que cantar sobre os problemas? Não temos mais problemas? Olhem a nossa volta, veja o que o Moinho está passando, o Pinheirinho, e tantas outras famílias de tantas outras quebradas. Nem mesmo os intelectuais da grande mídia aceitam esses mentirosos ignorantes. Estão sendo usados, aproveitem, pois cada um sabe o que vale, cada um sabe o seu peso. E antes que alguém pense que estou generalizando quando escrevo sobre isso, a resposta é simples – Eu apenas estou assumindo um lado, assim como outros estão fazendo. Lhe convido a fazer o mesmo. Lhe garanto que respostas surgirão, mascaras cairão, líderes tombarão e você se encontrará melhor consigo mesmo.

 

“Meu rap não ficou acoado, escondido. Ele saiu do meu caderno e conquistou pais e filhos.”

 

Eu acredito nas periferias, nessa gente nossa, e como disse Milton Sales lá no Moinho – “Vocês não estão sozinhos.”

Ah, aproveito para fazer um pedido – Não nos abandone, “continue ouvindo rap, o rap.”

Sem mais no momento,

Crônica Mendes

 

Serviço – Saiba mais sobre Crônica Mendes no blog www.cronicamendes.blogspot.com

15 comments

  1. W.WEST 25 janeiro, 2012 at 18:45 Responder

    ISSO AI IRMAO,ESTOU COM VC…“Meu rap não ficou acoado, escondido. Ele saiu do meu caderno e conquistou pais e filhos.” PARABENS QUE DEUS ABENÇOE AS FAMILIAS,E Q NOSSO RAP, SEJA SEMPRE POR NOIS…ABS

  2. patricia 25 janeiro, 2012 at 18:59 Responder

    é sempre vc cronica mendes muito legal esse trabalho que vcs estao fazendo nas favelas pena que sao poucos que colaboram com isso, mas vamo que vamos pena que também tem muitas pessoas que tem tambem preconceito pelo favelado(a) todos nos somos certos entao pessoal vamos ajudar ae nossa corrente para ajudar o povo hein….valeu abraços
    PAZ!

  3. camila 25 janeiro, 2012 at 19:02 Responder

    é o que sempre digo cada um fazendo a sua parte ,sem esperar nada desses governos sempre foi assim entre a gente da gente ,nunca vou deixar de ouvir o rap ele ta no meu dna , ta no sangue e se envolver com essas causas é natural do nosso do povo da periferia é nois por nois salve cronica mentes parabéns tamo junto, araraquara interior paulista

  4. Manulupetersen 26 janeiro, 2012 at 09:14 Responder

    Cada um por Si. Mas não é isso que prega o capitalismo? Não é o que prega a grande mídia? Com seus Realitie Shows onde os personagens tramam um contra os outros pra ganhar fama e fortuna? O Funk, onde o que vale satisfazermos nossos instintos mais primários? Ou até uma nova leva de rappers que querem cada vez mais fama, mulher e dinheiro, como citado pelo Dexter no "Não Vejo Nada". É isso aí Crônica, Consciência, Resistência e Luta.

  5. rogerio 26 janeiro, 2012 at 09:27 Responder

    isso mesmo cronica.a favela ta unida!lamentavel ação do poder publico no caso do pinheirinho.6mil pessoas jogadas na rua sem ter pra onde ir.vemos uma justiça que sepre pesa para o lado que mais tem dinheiro.falto bom senso da prefeitura de sjc.

  6. Mano Preto 26 janeiro, 2012 at 10:25 Responder

    Sumemo Cronica, palavras muito bem colocadas. Varios estão em cima do muro, estão se servindo do rap, mas dxa eles logo eles cairão e concerteza o gueto e o rap não estarão com eles.

    Morte aos rap de plastico.

  7. OITAVO ANJO DEXTER 26 janeiro, 2012 at 10:28 Responder

    QUER ENTENDER MEU RAP?
    PRIMEIRO AME O POVO.
    CRôNICA,OBRIGADO POR ME MOSTRAR QUE AINDA VALE A PENA E QUE NÃO ESTOU SOZINHO.
    MUITO OBRIGADO A TODOS OS REVOLUCIONÁRIOS QUE LÁ ESTIVERAM,ESTAMOS VIVOS,EU VI E VIVI!
    EU TBM SENTI O FEDOR DA FUMAÇA QUE AINDA HOJE PAIRA NO AR E NO CÉU DO MOINHO,NOS TRAZENDO TRISTES LEMBRANÇAS DE UM DIA 22 DE DEZEMBRO DE 2011.
    MAIS AI,EU TBM VI KAMIKAZES CAIDOS SE ERGUENDO,PODE ESPERAR SOU MAIS NÓS NESSA GUERRA MORÔ.DO MEU CHORO FIZ O SORO E DO COMA RENASCI !! FAVELAS SOMOS NÓS TBM.

  8. Daniel Paulo Barioni Junior 26 janeiro, 2012 at 13:07 Responder

    Daniel Paulo Zoreia Junior disse…

    Salve, salve Crônica Mendes, o problema é nosso sim, estou contigo, somos o povo e temos que lutar pelo o povo, lutar contra o racismo, a desigualdade, a injustiça, lutar por moradias dignas, lutar por empregos, lutar por educação para todos, lutar todos os dias, porque essa luta é nossa.O Rap é isso mano lutar por causas justas, lutar pelo o povo, eu também estive no Moinho e fiquei emocionado de ver a colaboração, a união, o respeito, o amor e isso me deu forças para continuar lutando e defendendo a Bandeira da Verdade..Deixo aqui o meu profundo Respeito por todos que buscam a melhoria para o nosso POVO.

    PAZ

  9. Vulgo Elemento 6 fevereiro, 2012 at 20:22 Responder

    Fmz, "Tem muitos ignorantes por aí dizendo que o Rap agora não tem, nem precisa falar mais de problemas sociais, de comunidade ou de suas pessoas."

    Pura verdade, Crônica. Muitos, às vezes, falam que não esqueceram da essência, mas militam contra a origem…

    Tamo junto, aí!

Deixe uma resposta para patricia Cancelar resposta