Sign in / Join

“Pisando nos Ares” é o novo som de Jerry Loko

Dono de uma versatilidade única, que o ajudou a achar o diferencial em seu som, e uma musicalidade que transita do samba ao jazz, do brega ao reggae e finca os pés no rap, Jerry Loko, 26, se reinventa e lança “Pisando nos Ares” – participação de Mister Som (Os comparsas), Mix/master ficou por conta do Alexandre Modestto e no comando das lentes Wysko77 , um Trap que leva o mesmo nome do Ep com previsão de lançamento para ainda este deste ano.

O EP “Pisando nos Ares”, contará com cinco faixas, masterização e mixagem de Alexandre Modesto. A nova empreitada transita pelo Trap, Boom Bap e G Funk contendo releituras de músicas gringas, influência de love songs e um beat de JNR beats.

“O EP é um trabalho futurístico. Fala de amor, de família, traz uma vibe massa. A expectativa é a melhor possível, busco trabalhar e passar uma mensagem positiva para os quatro cantos do país. Entrar no jogo e apresentar um trabalho de alto nível. Estou investindo no marketing, no visual, estudando como fazer as apresentações ao vivo”, comenta o rapper.

Trajetória

Jerry Loko começou a escrever logo cedo, aos oito anos de idade. Chegou a cantar em casa batendo nos baldes. Mas só em 2005 surgiu o desejo de fazer Rap. “Ao ver MTV, Sabotage e RZO. A gente montou o ‘Cyclonia Hip Hopʼ e foi fazendo umas letras, gravando umas fitas num computador velho usando o microfone de fone”, revela.

Em 2009 conhece o rapper Basquete, nesse momento surge o Raciocínio Agressivo, o grupo chegou a ter um CD finalizado que nunca foi lançado. 2013 é o ano de lançamento do primeiro álbum solo, ‘100 Motivos para sorrir, mas sorrindoʼ (SIRVA-SE). No disco, o rapper mostra uma evolução dentro do cenário local. São 14 faixas com influências de reggae, pop rock, samba, além dos grupos: RZO, Sabotage, Negra Li, De Menos Crime, DBS e a Quadrilha, Criolo e Projota.

Logo após o lançamento de ‘100 Motivos para sorrir, mas sorrindoʼ (SIRVA-SE), participou do grupo Time da Quebra que contava com Davi 2P e Junior Nord. O som consistia numa mistura de Rap com ritmos regionais, desde guerreiro, baião e xaxado a beats com triângulo e zabumba. Nesse período lançou o Ep “Oxi o Que?”, contendo três faixas. Com o projeto chegou a tocar em Recife e várias casas de show no estado de Alagoas.

Já com o projeto solo, passou por Garanhuns, Caruaru, Aracaju, Bahia e participou dos festivais: Pernambuco tem Rap e MAC Festival. Já dividiu o palco com grandes nomes do cenário nacional Além da participação do clipe “Uma Multidão Rumo à Solidão”, do Grupo Lendário “RZO”.

Comments are closed.