Twitter Facebook Youtube
Home » Especial-2 » Pregador Luo escolhe as melhores lutas de todos os tempos

Pregador Luo escolhe as melhores lutas de todos os tempos

Rapper favorito de nove entre dez lutadores brasileiros para criar temas que ilustram e dão estilo às entradas para o octógono ou arenas de luta, Pregador Luo acompanha o esporte desde a época do vale-tudo.

O músico recebeu a missão de estrear a [5+], nova seção no site do UFC, na qual personalidades das mais variadas vertentes escolhem as cinco melhores lutas de artes marciais mistas que já assistiram ou presenciaram.

Com a palavra, o Pregador
.  

É muito difícil escolher apenas cinco lutas entre tantas batalhas épicas que o MMA tem nos proporcionando. Mas sem dúvida, os melhores duelos e os grandes clássicos aconteceram dentro do UFC.

Sejam nas lutas ‘blockbusters’ que atraíam mais a atenção do grande público, como as deBrock Lesnar, ou as batalhas táticas – e muitas vezes amarradas -, de Georges St.Pierre.

Passando também pelos confrontos clássicos onde o MMA moderno começou e tomou forma, onde Royce Gracie derrotava desafiantes muito maiores que ele usando com perfeita eficácia o jiu-jitsu, que segue até hoje fazendo história no MMA, sendo disseminado por mestres do quilate de Renzo Gracie.

Adotei um critério para minhas escolhas: não serão somente belos nocautes, lutas de maior público ou audiência. Vou me ater à importância delas na época que aconteceram, e também a forma como decorreram.

5 – Mauricio Shogun x Dan Henderson (UFC 139)
A primeira luta entre os dois foi eletrizante. Dois grandes veteranos que se apresentaram em ótimo nível de condicionamento físico. Com boa movimentação, troca de posições no chão e golpes duríssimos, o combate terminou sem nocaute ou finalizações. Henderson venceu na decisão dos juízes, o que levou o UFC a organizar rapidamente a revanche. Essa luta foi importante para ambos, que estavam na corrida pelo cinturão e teriam a chance de enfrentar o campeão Jon Jones.

Na segunda e decisiva luta, Henderson derroutou Shogun por nocaute técnico e ainda fraturou o nariz do brasileiro, com um golpe de direita. Com essa vitória ele estava bem próximo do sonho de lutar pelo cinturão, mas acabou impedido, logo em seguida, por Daniel Cormier, que o anulou e dominou completamente durante toda luta. Derrotado, Dan viu a tão sonhada oportunidade ficar nas mãos de Daniel.  Na minha opinião, Cormier é um dos poucos na atualidade que tem chances reais de derrotar o campeão Jones.

4 – Wanderlei Silva x Rampage Jackson (Pride Final Conflict)
Foram os dois combates mais avassaladores da história do MMA. Wanderlei era o ‘rei do Pride’ e Rampage vinha fazendo ótimas lutas. No primeiro encontro, Wand nocauteou no primeiro round. Na segunda parcial, a luta foi mais acirrada e Jackson levou perigo a Wand em várias ocasiões.

Momentos ‘sinistros’ de trocas de golpes, com disposição impressionante e potência nos golpes que deixava o púbico em choque. Rampage não resistiu aos duros clinches de muay thai de Wand, que seguiam com joelhadas que mais pareciam uma sequência de ‘bombas’ explodindo sobre a cabeça do norte-americano.

Até que uma dessas pancadas nocauteou brutalmenteo gringo e o fez ficar caído nas cordas, fulminado por seu maior algoz. Terminava assim o sonho de Rampage obter a coroa do evento que sem dúvidas, até hoje, pertence a Wand.

3 – Maurício Shogun x Jon Jones (UFC 128) 23Shogun_Jones
Havia muita expectativa em torno da volta de Shogun, que havia passado por cirurgia, e também sobre o novo ‘fenômeno’, que vinha aniquilando adversários com cotoveladas severas. A importância dessa luta era tremenda. Se Shogun ganhasse, manteria a hegemonia brasileira no UFC, pois nós detínhamos boa parte dos cinturões.

Para Jones, a ansiedade era pela consagração de um norte-americano que poderia iniciar uma nova era de supremacia no esporte. Como sabemos, após dominar a luta o tempo todo e nocautear Shogun, sagrou-se campeão e vem se mantendo como o mais impressionante lutador em atividade a cada defesa de título.

2 – Minotauro Nogueira x Bobby Sapp (Pride Shockwave)
Quando os dois subiram ao ringue, parecia que algo surreal aconteceria. Um homem grande, tremendamente habilidoso no jiu-jitsu enfrentaria outro ainda maior, com força descomunal e que parecia poder ‘arrancar a cabeça’ de Minota com um só golpe.

Quando os dois se aproximaram para começar a luta, a diferença de tamanho e peso se tornou ainda mais estarrecedora. O combate seguiu por longos rounds, com Bob Sapp impondo castigo desumano a Minotauro. Coisa de filme do Rocky Balboa, mas era sangue de verdade e não ‘groselha cinematográfica’. Era o ser humano sendo testado até seus limites diante de uma arena lotada, que assim como muitas outras pessoas ao redor do mundo, acompanhavam perplexas aquele embate de proporções épicas.

Sapp chegou a dar ‘pilões’ em Minota como o personagem Zangief, do game Street Fighter fazia com Ken, Guile ou Ryu. Cheguei a temer pela vida de Nogueira, que já estava tão machucado, que só mesmo os mais otimistas acreditavam num revés a seu favor. Mas foi aí que o impossível aconteceu, e o cara que todos já davam por batido cravou o nome na história, com muito sangue e jiu-jitsu.

Ao conseguir encaixar um armlock em um gigante já cansado de socá-lo, ele o derrotou como fazem os heróis em contos mitológicos, que mesmo em desvantagem se sagram vencedores ao final do conto. Inspirador e inesquecível!

1 – Pedro Rizzo vs Randy Couture (UFC 31)
Foi uma luta de tirar o fôlego. Randy começou dando pressão e castigando Rizzo no chão contra a grade. Só que o jogo foi mudando, e Rizzo passou a dominar Couture com chutes potentes que anularam as pernas de Randy. O que impressiona nessa primeira luta é que ambos estavam tão motivados a ponto de seguirem lutando mesmo após tantos golpes duros. Lutão intenso que reaproximaria o Brasil do topo! Se Pedro ganhasse, se sagraria campeão e colocaria o MMA brasileiro novamente como número um.

A primeira guerra de Pedro e Randy terminou com a vitória do americano na decisão dos juízes. Fato que surpreendeu o próprio Randy e desapontou não só a Pedro Rizzo, mas também os torcedores do Brasil e do mundo que discordaram da decisão.

Houve ainda um segundo combate que terminou com a vitória de Couture por nocaute técnico. A cabeça de um esportista sempre passa por conflitos após resultados equivocados que os prejudicam, e isso sem dúvida, afeta os rendimentos futuros. Acredito que se o resultado tivesse sido a favor de Pedro, ele teria motivação para seguir campeão por muito tempo, já que vinha de uma série de vitórias arrasadoras. Águas passadas que foram superadas por esse meu grande amigo, que segue firme trabalhando pelo MMA e ajudando a formar novos campeões dentro e fora do mundo das lutas.

Fonte: UFC

Comentários:

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Notícias Similares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Email
Print