Twitter Facebook Youtube
Home » Noticias » Virgula MiniDocs mergulha no cotidiano do rapper gay Rico Dalasam

Virgula MiniDocs mergulha no cotidiano do rapper gay Rico Dalasam

Por  | Virgula

Taboão da Serra is burning e Rico Dalasam sonha alto. Primeiro rapper gay do Brasil a botar a cara no sol e surfar o hype na mídia, o rapaz de 25 anos traz em si também a reflexão e a vivência da negritude e da exclusão geográfica e social do Taboão da Serra, extremo sul de São Paulo, localidade que os Racionais MCs situariam como “da ponte pra cá”.

Veja o Virgula MiniDocs Rico Dalasam

Mini-Doc: Rico Dalasam

A batalha de Rico, no entanto, não é apenas por reconhecimento, ele quer povoar o mundo com uma geração Dalasam. “É isso, mano, 2015, já existe uma onda, um vento que coopera pra isso, que precisa eclodir”, contou ele para o Virgula MiniDocs. Eu represento várias frentes de várias pessoas. Cabe a mim pensar plural, que eu posso estar fazendo algo que vai bater lá na casa de outra pessoa. Não só através da música, mas através do que eu digo, do diálogo que eu tenho com alguém que eu encontro”, afirma.

Como todo astro contemporâneo que se preze, ele dialoga com as redes e até criou sua própria hashtag #ofervoeprotesto, forma de conciliar ativismo e diversão e resumo perfeito da politização dos costumes que ele representa. “Mua, beijo pra Suzana Vieira/ E avisa os mal-acabado que sou álcool na frieira/ A classe chegou depois, me preparou pra riqueza/ Mas eu sou bem maloqueiro dos que pegavam rabeira”, afirma ele em Riquíssima, uma das faixas de Modo Diverso, EP lançado por ele há um mês.

O clipe de Não Posso Esperar, que acaba de estrear na MTV, traz imagens do rapper em seu primeiro rolê por Nova York. Ao caminhar pelas ruas do Taboão, no entanto, Rico afasta qualquer hipótese de ser acusado de ter “voltado americanizado”. “Um dos artistas mais da hora do bairro é o cabeleireiro, por que ele recebe todo mundo, ele gera autoestima, ele faz a galera ter acesso a um grau de felicidade. É autoestima instatânea”, afirma, lembrando seu primeiro trabalho como cabeleireiro.

“A falta de recurso faz você desenvolver algum talento. Todo mundo aqui tem algum talento, todo muito é meio cabeleireiro, meio doceiro, meio mecânico, meio pedreiro, meio pintor. Tem várias casas aqui que é o próprio dono da casa que fez a casa”, atesta. Rico também está nessa, construindo a house of Dalasam e será impossível impedi-lo.

Comentários:

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Notícias Similares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Email
Print