Twitter Facebook Youtube
Home » Especial » Você sabe quem foi Preto Ghóez? Então fique sabendo…

Você sabe quem foi Preto Ghóez? Então fique sabendo…

Pra quem não sabe, Preto Ghóez foi um líder do movimento Hip-Hop Brasileiro.

Muitos passaram a conhecer Preto Ghóez após divulgação do  prêmio que leva o nome do rapper maranhense – morto aos 33 anos de acidente de trânsito em Itajaí, Santa Catarina, dia 10 de setembro de 2004. Márcio Vicente Góis, o Preto Ghoez, dizia ter iniciado sua atuação influenciado pelas músicas dos Racionais MC e pela biografia de Malcolm X (com cujo nome batizou seu filho).

Dentro do hip hop, militou por oito anos, a partir de 1993, no Quilombo Urbano, de São Luís (MA), uma das organizações mais politizadas e atuantes do movimento, e fez parte de vários outros grupos, como o Skina e o Milícia Neopalmarina. Mais recentemente, estava no Clã Nordestino, lançando o CD “A peste negra do Nordeste”.

Sintonizado com vários aspectos da vida do país, Ghoez estava finalizando o livro Sociedade de barra e articulando o MHHOB (Movimento Hip Hop Organizado do Brasil), além de militar no Favelafro, uma organização que surgiu de uma ruptura – provocada por questões políticas fonográficas – de parte do Quilombo Urbano e do Clã Nordestino.

Preto Ghóez – Clã Nordestino – Todo Ódio a Burguesia
[audio:http://www.rapbrasileiro.com/mp3/Cla_Nordestino-Todo_o_odio_a_burguesia.mp3]

Uma das últimas iniciativas de Ghoez, foi a participação em uma reunião com Lula e outras expressões do hip hop, no início do ano, que provocou uma série de críticas de setores contrários ao atrelamento do movimento aos projetos do governo e abriram uma intensa polêmica sobre o tema.

Polêmicas que, contudo, não fizeram com que fosse esquecida sua importante atuação guerreira na construção do hip hop e na organização da juventude negra e favelada na luta tanto contra o racismo quanto contra o sistema. Preto Ghóez era ativista cultural e social e, depois de ter tido uma infância difícil e ter passado pela FEBEM, construiu um movimento a partir de sua música, o Hip-Hop.

Vocalista do grupo Clã Nordetino, uma das organizações nacionais do setor. Foi idealizador, em parceria com o MinC, do projeto Fome de Livro na Quebrada e participava de um grupo de trabalho a fim de desenvolver parcerias entre o governo e o Movimento Hip hop.

Aficcionado pela escrita, Preto Ghóez contribuiu com textos para diversas publicações nacionais, era colunista do Portal RAP NACIONAL e, movido por essa facilidade em escrever, produziu o romance “A Sociedade do Código de Barras”, uma história que pretendia contar em três volumes: “O Mundo dos Mesmos”, “Transeuntes” e “Os Diferentes”. Deixou pronto somente o primeiro volume da trilogia, que você pode comprar na Loja RAP NACIONAL:

Comentários:

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

OUTROS COMENTÁRIOS (18)

  1. Márcia disse:

    Esse menino era um doce…com pitadas de pimenta…Saudades

  2. SANtiago disse:

    Me orgulho de fazer parte da cultura hip-hop!

  3. ND2 disse:

    Ele q fez eu cantar rap nao o conheci pessoalmente so os parceiros q hoje estão ae separados…!!! Sou do maranhão e ele faz muita falta aqui nesse lado mano pode cre…!!! a beste negra.

  4. Mano Rex disse:

    Hip Hop Na veiaaa

  5. Cafuris DoQi disse:

    Esse mano relmente foi ZICA! "…Preto Ghóez soldado raso da revolução…"

  6. mensageiro disse:

    eu tambem nao o conheci pessoalmete so os outros parceiros dele , ghoez me fez acreditar no hip hop verdadeiro um hip hop que promova uma mobilidade social, ele me influenciou muito tanto musicalmente como politicamente falando, me orgulho em ser do maranhao mesmo que eu seja do interior onde o hip hop possui varias barreiras,e toda vez que eu esculto a voz do preto ghoez a minha indignaçao o meu instinto revolucionario se renova por isso a onde eu ja fui e em todos lugares que ja militei pela cultura sempre levei o nome de preto ghoez, pra sempre ghoez maranhao

  7. Mc Bruno B O disse:

    Maximo respeito, hip hop real!

  8. marcosfly disse:

    cara muito bom vcs fala dese monstro mostra o hip hop do maranhao firmooo

  9. epidemia rap disse:

    matéria monstra, ae sim, os muleke q vibra a tanto rap pop tem q conhecer as letras do clã nordestino, todo ódio a burguesia, coração feito de afrika, só tem rap monstro, vlw preto ghóez, aki vc não ta morto. lembrando q ele virou ate nome de rua eim. sem mais.

  10. Preto Cria disse:

    EXEMPLO PRA TODOS NÓS. ESTEJA EM PAZ

  11. daniel disse:

    esse cara revolucionou o hiphop maranhense

  12. henrique disse:

    Estou a anos atraz do cd do clã nordestino ninguem tem ele?

  13. Danilo_Goes disse:

    uns dos maiores rappers brasileiro…

  14. MEU GRANDE AMIGO PRETO GHÓES….Tive o prazer de conhecer,virar amigo,produzir show do CLÃ NORDESTINO e seguimos juntos na militancia levando a ideologia do MHHOB por todos os cantos…MUITO IMPORTANTE O RESGATE DA MEMORIA DO PRETO GHÓES, O HIP-HOP PRECISA DE GUERREIROS COMO ESSE MANO…O QUE ELE FEZ PELO MOVIMENTO, É ALGO DIFICIL DE ENUMERAR, MEUS PARABENS AO MANDRAKE PELA MATERIA..VIDA LONGA A MEMÓRIA DO PRETO GHÓES….E VIVA O HIP-HOP!!!

  15. Paulo Santos disse:

    Uma das maiores perdas, não só do Hip Hop Nacional, mas dos movimentos em prol das classes proletárias desse país.

    Mas assim como grande mestres da Academia Brasileira letras são tidos como imortais por meio de suas obras. Preto Ghóez, pra mim é um imortal também.

    Merece ter nome de ruas e Centros Culturais em sua homenagem, qualquer homenagem que se renda a esse guerreiro ainda pouco.

    Preto Ghóez, vive!!!!

  16. L.R.M disse:

    Mnao que rap louco em e a voz dele massa em PRETO GHOEZ

  17. dingos disse:

    importante MANDRAKE, essa matéria, para transmiti a informação a nova geração é adepto do nosso estilo de vida HIP HOP

  18. Malcolm Goes disse:

    Ai mano ele não passo pela FEBEM, na real ele fez um curso na FEBEM, e não passou por lá por um delito ou coisa do tipo, como ficou entendido a cima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Email
Print